Casa Mário de Andrade

A Casa de Mário de Andrade foi reaberta ao público em 2015, no 70º aniversário de morte de escritor, com a inauguração da exposição de longa duração “A Morada do Coração Perdido”.

Em 2018, a antiga residência do escritor torna-se formalmente um museu da Secretaria de Estado da Cultura, decorrência do processo de musealização que se encontra em desenvolvimento. A Casa passa a integrar a Rede de Museus-Casas Literários de São Paulo, com uma proposta fundamentada no perfil multifacetado de Mário de Andrade – “eu sou trezentos, trezentos e cinquenta” –, que atuou em diversos segmentos da arte e da cultura, bem como em suas pesquisas relativas a nossas raízes culturais e tradições populares.

Assim, além da exposição “A Morada do Coração Perdido” – que inclui objetos pessoais de Mário, móveis originais da Casa, textos, fotos e vídeos –, o público poderá visitar exposições de curta duração ou participar de atividades de formação e difusão cultural que contemplam os focos de atuação de seu patrono:

  • Biblioteca do Mário: sobre literatura e poesia;

  • Discoteca do Mário: relacionadas a música e sua história, objetos de pesquisa do também pianista e compositor;

  • Pinacoteca do Mário: focada na relação da Mário com as artes plásticas brasileiras;

  • Cinemateca do Mário: voltada à atuação do escritor como crítico de cinema;

  • Teatro do Mário: ligada à produção teatral, particularmente de adaptações dramáticas de obras de Mário de Andrade.

Também será promovido no Museu o debate acerca da gestão e da política cultural, áreas em que Mário atuou de forma pioneira.

Com o objetivo de aprofundar a pesquisa acerca do modernista e de fomentar a criação cultural com base em sua vida e sua obra, será constituído em 2018 o Centro de Pesquisa e Referência Mário de Andrade, cujas atividades focalizarão, sucessivamente, os diversos campos de trabalho do escritor.

O Museu Casa Mário de Andrade integra a Rede de Museus-Casas Literários de São Paulo da Secretaria da Cultura do Estado e é administrado pela organização social de cultura Poiesis.

“Saí desta morada que se chama O CORAÇÃO PERDIDO e de repente não existi mais.”


Mário de Andrade

Poeta, escritor, pesquisador, músico, crítico de arte e gestor cultural, Mário de Andrade (1893-1945) foi um dos principais ideólogos do movimento modernista e da Semana de Arte Moderna, em 1922, integrando o grupo fundador da revista Klaxon. Entre os seus livros publicados estão Pauliceia Desvairada, o primeiro livro de poemas da primeira fase do Modernismo, e Macunaíma.

Saiba mais sobre a Mário de Andrade e a Morada do Coração Perdido